Domingo, 27 de Janeiro de 2008

H-Mito 5 (São só 2 ou 3 ...)

Já há muito que não apareço com novos mitos desta temática, ainda tão controversa por sinal.

Parece então, por muitas opiniões ou comentários ouvidos ocasionalmente por parte da Sociedade Civil ou até escritos que, a Comunidade Gay são apenas dois ou três afectados dispersos que por aí andam e que, com um competente tratamento médico ou um trabalho de correctivo acompanhamento psicológico, a coisa iria ao lugar. Ao fim e ao cabo são tão poucos que quase nem se notam e não há nada que uma boa terapia não resolva.

São então só dois ou três … poisssss.

Sim, se não são só dois ou três, serão certamente poucos, muito poucos os que, à excepção de:

- todos os muitos que não se assumindo como tal, percorrem tudo o que é praia de engate gay, para rápidos “encontros do terceiro grau” (aqui se incluem muitos e muitos pais de família que deixam a mulher e os filhos na toalha e a pretexto de irem dar uma voltinha, dão uma escapadela rápida a qualquer duna próxima não propriamente com o intuito de dar um “ingénuo” passeio de rotina);

- todos os que não se assumindo como tal e pela calada da noite (quando todos os gatos são pardos), são assíduos transeuntes de  específicos pontos urbanos onde dão largas à sua fantasia corporal, parques de estacionamento, periferias suburbanas mais descampadas, …, “despem” momentaneamente a sua capa de heteros convictos e pais de família para dar o corpo ao manifesto;

- todos os que não se assumindo como tal, “minam” as casas de banho públicas de mil  estações de serviço por esse país fora, oferecendo serviços sexuais com números de telefone, procurando observar a genitalidade dos demais ou expondo a sua e, não raras vezes, entrando em vias de facto;

- todos os que ousam negá-lo categoricamente após acto consumado com alguém do mesmo sexo, verbalizando-o ao outro e negando a sua própria natureza, tal o peso do “lobby hetero” de uma vida;

- todos os que, negando-o ou não a si próprios, o esconderam ou escondem no mais profundo do seu ser toda uma vida, jamais o exibindo uma vez que seja, até à morte, travando por cobardia ou por outras condicionantes, uma luta sem tréguas contra a sua própria natureza;

- todos os que, partilhando-o apenas com um grupo restritíssimo de pessoas, não raro com a mesma conduta, jamais o declarariam abertamente e muito dificilmente aos entes queridos mais próximos que, com toda a infelicidade deste mundo, morrem sem chegar a conhecer verdadeiramente quem eles são;

- todos os que jamais o declarariam num qualquer processo de levantamento estatístico a nível territorial pelas supostas consequências que daí poderiam advir, no seu entendimento;

- todos os que, assumindo para si e com eventual relação afectiva, jamais a ostentariam publicamente, nem que fosse para as pessoas mais chegadas;

- todos os que suposta ou estranhamente se assumem sem problemas e estão muito “à frente” mas, na possibilidade de apresentar o namorado a pessoas próximas, amigos ou familiares o fazem como sendo “um amigo” mais ou menos especial ou “um colega”;

- todos os que alteram ou transfiguram praticamente a sua casa, quando há a possibilidade dos pais o visitarem e poder haver o mínimo risco de se darem conta de que aquele espaço não é só frequentado pelo filho querido;

-  todos os que não se assumindo como tal, conseguem ter capacidade de engendrar os mais complexos esquemas, manipulando mil factores e a esposa e antevendo mil hipóteses de falhanço com suficiente antecedência, para saírem sem mácula de loucos encontros sexuais;

- todos os que não se assumindo como tal e mostrando-se bem casados, partilharam desde sempre o mesmo leito de amor com “aquele amigo de sempre”, dos bons e maus momentos, das saídas e das fugas às casas de meninas;

- todos os que não se assumindo como tal e até recriminando, têm a capacidade de se cruzar connosco na rua, de peito inchado e mão dada com a respectiva esposa, mas não conseguem evitar lançar um contido olhar que brilha do mais visceral desejo carnal;

- todos os que não se assumindo como tal, procuraram como fuga última, ambientes profissionais marcadamente homo eróticos, de que são exemplos a vida religiosa ou a vida militar,  para estarem sempre em contacto directo com indivíduos do mesmo sexo e, se não concretizarem, poderem pelo menos continuar a fantasiar;

- todos os que troçam e escarnecem de outros que se assumem sem reservas, apenas porque nunca conseguiram ou conseguirão ter a coragem suficiente para tomar a mesma atitude;

- todos estes e tantos outros que poderia continuar a mencionar;

 

…sendo assim, serão de facto dois ou três, ou pelo menos poucos, muito poucos os que tiveram a suficiente CORAGEM de serem suficientemente HOMENS para serem eles próprios contra tudo e todos, para serem suficientemente HOMENS para não se deixarem esmagar pelo “lobby hetero” porque é a pressão hetero o grande problema, para serem suficientemente HOMENS para impor a sua vontade com todas as consequências daí resultantes, para serem suficientemente HOMENS para contrapor a injustiça das convenções instaladas, para serem suficientemente HOMENS para não se envergonhar da sua essência, para serem suficientemente HOMENS para se orgulharem dos Homens que são e daqueles com que decidiram partilhar a vida, para serem suficientemente HOMENS para não se vangloriar de assumir o que não são, para serem suficientemente HOMENS para resistir a séculos de catolicismo instalado, para serem suficientemente HOMENS por escolher o caminho mais ingrato e difícil, por serem suficientemente HOMENS para não perder tempo com a paneleirice de discriminar outros homens, para serem suficientemente HOMENS para viver.

 

                                                                                                                  Brama


publicado por Brama às 23:57
link do post | comentar | favorito
|
8 comentários:
De Paulo a 28 de Janeiro de 2008 às 23:04
Brama, estive a ler o post e os comentários que me sugeriste. Fiquei meio azamboado... e enojado. Este texto é uma resposta, certo? Acho muito bem tudo o que escreveste aqui. Além disso, até me incluo no grupo dos que apresentam o outro (neste caso o Zé) à família como sendo um amigo ou colega que por acaso até mora na mesma casa e faz tudo em conjunto, nomeadamente as viagens...
Às vezes, gostava de ser assim inspirado e escrever estas coisas.
Um abraço


De Brama a 28 de Janeiro de 2008 às 23:48
Não é propriamente uma resposta, até porque nem espero que os tais sujeitos venham ler isto ... mas fiquei inspirado sim. Apesar de cada vez ter menos paciência para voltar ao assunto porque já não há muito que se possa dizer sobre uma evidência que só não vê quem decidiu tapar os olhos ... fico ainda fulo com certas opiniões e comentários absurdos e que não merecem apenas o silêncio, mas algo mais, claro. Que é lá isso ... então dizem merda de peito cheio e ar jocoso e eu ficava calado ... NEM PENSAR!
Devem ser devidamente enxovalhados. calcados e reduzidos à sua mísera condição humana de seres secundários que é o que pessoas que pensam naqueles moldes são.

Quanto ao achares que és pouco inspirado, não creio mesmo nada ... acho que te estás a subestimar. Não te tenho como alguém com pouca inspiração, de modo algum. Até te considero bastante criativo, imaginativo e muito inspirador.



De Paulo a 29 de Janeiro de 2008 às 21:50
Claro, Brama, vão faltando os argumentos e a paciência. Portanto, partilho a ideia do Graduated_Fool: não te desgastes mais com isto que não vale a pena. Quem perde és tu, porque te enervas, porque perdes o teu tempo, porque te irritas... e para quê? Gente nhurra não muda da noite para o dia. Mais vale estar calada e quando não está, há que cagar e andar. Há coisas mais interessantes para fazer do que esgrimir argumentos com quem não o merece (embora perceba que não devas permanecer calado!).

Obrigado pelo elogio da criatividade. Quando falava de inspiração, referia-me a este assunto relacionado com a vivência da sexualidade. E, aqui, não te chego nem aos calcanhares. Sou mais do tipo: é assim e pronto. Não tenho criatividade nem paciência para argumentações.
Um abraço


De graduated_Fool a 29 de Janeiro de 2008 às 00:52
Sabes que já não tenho grande paciência para este assunto, no sentido de, de certo modo, tentar mudar mentes tacanhas... contudo escrevo-te aqui o meu BRAVO a este texto. Bravíssimo, meu lindo.

P.S. Não te desgastes mais com isto.


De Brama a 29 de Janeiro de 2008 às 15:43
Eu não me desgastei, porque não estou à espera de mudar aquela gentinha ... mas achas que é possível ficar impávido e sereno a assisitir ao "crescer da ralé"?

Gente assim terá de ser colocada no seu devido lugar, alguém terá de se insurgir ... podem continuar e morrer estúpidos,mas não sem sentir o sabor da contrariedade.

Não aceito calar-me sem dizer nada ... sobretudo quando sei que a minha é a voz da razão e da justiça


De Maria a 29 de Janeiro de 2008 às 15:01
Mas tu ainda não percebeste que há seres vivos que NUNCA vão passar de projectos de qualquer coisa mais evoluída?!! No fundo, eles não têm culpa. As suas limitações são-lhes impostas pelos próprios genes...


De Brama a 29 de Janeiro de 2008 às 15:39
Quando agem arrogantemente e com a presunção de saberem mais, inclusive enxovalhando os outros, têm culpa sim. Mas tens razão, serão sempre projectos de gente e a avaliar pelo conteúdo dos seus "estaminés", usando as tuas palavras, não há a menor dúvida disso.
E nem é a questão de dar importância ... simplesmente se todos nos calarmos ninguém os adverte, mesmo que não concordem, que só estão a dizer merda.


De Graduated_Fool a 29 de Janeiro de 2008 às 18:16
Até projectos de uma jarra de barro são mais interessantes que muitos projectos de gente.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. SIA Lentil

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Sem "papas na língua", co...

. Heartbeat Educação

. Que seria de nós sem um G...

. Como estamos em Ditadura ...

. Born Free

. MDNA, in full conviction!

. Cheikh N`Digel Lô e MDNA

. É assim que Shanghai pens...

. Aziza Mustafa Zadeh

. O tempo é escasso

. Só para relaxar um pouco ...

. Mulher que mata qualquer ...

. She give me money ... whe...

. Ainda estou vivo

. Because of You ...

. Inté

.arquivos

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Junho 2012

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds