Quinta-feira, 1 de Maio de 2008

Reprovar agride os nossos alunos

Ontem às 21h mais ou menos … na escola onde trabalho, eu e uma colega:

 

Clg: _ Já sabes da última?

Eu: _ Qual é desta vez?

Clg: _ Parece que a nossa Ministra veio a público dizer que os nossos alunos não podem já reprovar. Consta que representa uma grande despesa para o Estado.

Eu: _ Interessante. E isso é já este ano lectivo ou só para o próximo?

Clg: _ Pois não sei. Entretanto uma psicóloga explicou também que as reprovações não ajudam em nada as crianças. Servem apenas para dificultar a vida aos alunos e destruir-lhes a auto-estima.

Eu: _ … (não disse mais nada).

 

Antes de uma análise detalhada deste pequeno diálogo, convém especificar que pressuponho esta “novidade” já ter alguns dias … desconhecia como tenho evitado conhecer as últimas ideias brilhantes de quem tutela a Educação em Portugal. Este ano lectivo o massacre tem sido mais que muito e neste momento, está em causa a minha própria saúde e sanidade mental … parece-me prioritária. Como tal, penso que, tal como já referi em post anterior, “o autismo é o caminho”.

 

Voltemos ao diálogo. Não vos parece uma conversa quase surreal? Pois, é aquilo que eu acho agora, mas expressa com clarividência o estado da educação em Portugal.

Mais surreal é ainda a minha questão. Centremo-nos nela, está propositadamente a negrito. Foi a questão imediata que coloquei, na mais pura espontaneidade e sem qualquer intuito de ironizar o que quer que fosse, daí a minha preocupação. Ter-me centrado no momento em que tal ideia mirabulante da nossa ministra teria lugar, sem sequer questionar ou ponderar o grau de lucidez desta medida, deixou-me preocupadíssimo comigo mesmo. Talvez seja já um sinal do desgaste ou da desmotivação que sinto, mas que parece também ser da generalidade dos professores em Portugal. De acordo com o Ministério, reprovar é mau sobretudo por representar uma despesa acrescida ao Estado. As questões educativas têm lugar nisto??? Não me parece.

Entretanto segundo a tal psicóloga, reprovar destrói a auto-estima dos meninos. Claro que destrói … basta ver a sensação de tristeza com que muitos ficam quando competem e fazem comparações entre eles para ver quem teve a negativa mais baixa no teste ou quem tem mais negativas ou participações disciplinares. Também mostram a sua tristeza quando são mal-educados e se vangloriam disso ou quando não fazem os tpc’s e outros deveres e isso é motivo de graça e de confronto com a disciplina e a ordem que o professor tenta impor … ficam tão tristes e com a auto-estima completamente destroçada. E os alunos cumpridores e aplicados, será que a sua auto-estima não fica penalizada quando percebem que independentemente de serem responsáveis e dedicados, todos transitam em igualdade de circunstâncias?

Para não ficarem com a auto-estima destroçada, fica então esclarecido que os alunos devem sempre transitar a dessa forma acumular dificuldades nos  anos lectivos seguintes, para nunca mais as ultrapassarem e aí sim, ficarem com a clara sensação de que são incapazes de acompanhar os outros na aquisição de conhecimentos. Esta é a receita para que os nossos alunos não se sintam prejudicados. Também será, creio, uma mensagem de reforço positivo para os restantes alunos, aqueles poucos que ainda se empenham, sabem?! … certamente que estarão muito mais empenhados ao perceberem que os seus colegas que não querem fazer mais nada nas aulas a não ser enviar mensagens com o telemóvel, ouvir mp3 e instalar a confusão, transitarão exactamente como eles para o ano lectivo seguinte.

 

Mas acho muito bem … estamos definitivamente no bom caminho. Acho que sim, para bem da educação e do ensino em Portugal, toda a gente deve transitar … todos menos os professores. Esses malandrecos é que têm de preparar aulas absolutamente extraordinárias (para quê, não sei … não é suposto os alunos passarem incondicionalmente, sabendo ou não?!) … dar o programa todo (igualmente estranho, se os alunos não precisam de estudar), nunca faltar (continua a ser esquisito), etc, etc.

 

Como é que se pode solucionar estes problemas?

Já que vivemos no meio da palhaçada e do desgoverno 

 

1-     acabar-se de vez com o sistema de avaliação quantitativa – não é necessária se os alunos não podem reprovar;

2-     pensar se é necessário uma avaliação qualitativa – talvez só para os alunos que se aplicam, reforçando-os positivamente. Os outros não precisam, está tudo a correr bem porque estão na escola e não abandonaram ainda o estabelecimento ( o maior drama para o Estado);

3-     assim sendo, acabar-se com reuniões de avaliação ou intercalares – convenhamos que são desnecessárias. É para avaliar o quê e quem? … só se forem os professores;

4-     transformar reuniões de avaliação em reuniões de confraternização com comes e bebes … muito mais animado; já agora, trazer os alunos para essas reuniões, para estarem menos tempo em casa com os pais e passarem mais tempo na escola, como quer o nosso Ministério;

5-     acabar com critérios de avaliação (estes, a existir, são necessários só à avaliação dos professores) – nas primeiras aulas dizemos que eles não serão avaliados já que isso destrói a sua auto-estima; os alunos poderão fazer o que quiserem desde que, nas aulas assistidas finjam comportar-se em condições para não prejudicar a avaliação do professor;

6-     pedir aos alunos que, apesar de não reprovarem, não deverão abandonar a escola (é um critério que nos vai avaliar), não deverão condicionar o professor no cumprimento do programa (também é um critério que o vai avaliar), deverão ter alguma sensibilidade para não prejudicar a carreira profissional do professor. O professor promete compensá-los depois com melhores notas (ainda que fictícias), chocolates, deslocações aos centros comerciais (vulgo, visitas de estudo … para os relatórios que contribuem para a nossa avaliação) e outras benesses.


publicado por Brama às 14:34
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Pedro Eleutério a 1 de Maio de 2008 às 23:11
Brama a Ministro!


De medusasss a 2 de Maio de 2008 às 16:15
A minha pergunta no meio disto tudo é a seguinte:

O que podemos fazer para acabar com estas situações absolutamente surreais?

É que esta situação absolutamente rídicula já teve o seu embrião no governo do guterres com a cena do nacional porreirismo e temos-de-ter-escolaridade-obrigatória-até-o-12º-ano-como-nos-países-civilizados-e-menor-taxa-de-baixas-qualificações-mesmo-que-isso-não-se-reflicta-nas-competências-adquiridas.

Alguma coisa devemos poder fazer, mas o quê?


De graduated_Fool a 2 de Maio de 2008 às 21:30
Sem comentário possível. The shit goes on, and on, and on.

Inacreditável não diria porque já antevia tal coisa. Caminhamos para a passagem colectiva, é óbvio.


De Paulo a 3 de Maio de 2008 às 12:57
Para que saibas: apoio-te em todas as medidas!


Comentar post

.mais sobre mim


. ver perfil

. seguir perfil

. 4 seguidores

.pesquisar

 

.Julho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. SIA Lentil

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Sem "papas na língua", co...

. Heartbeat Educação

. Que seria de nós sem um G...

. Como estamos em Ditadura ...

. Born Free

. MDNA, in full conviction!

. Cheikh N`Digel Lô e MDNA

. É assim que Shanghai pens...

. Aziza Mustafa Zadeh

. O tempo é escasso

. Só para relaxar um pouco ...

. Mulher que mata qualquer ...

. She give me money ... whe...

. Ainda estou vivo

. Because of You ...

. Inté

.arquivos

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Junho 2012

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

SAPO Blogs

.subscrever feeds