Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

Sentado sobre a campa

Fui visitar a minha prima, é verdade que fui ... ao último sítio onde se visita alguém da nossa idade, com projectos como tem alguém da nossa idade, convicções e motivações inabaláveis como é costume ter alguém da nossa idade, vontade de continuar apesar dos aspectos mais ou menos positivos, mais ou menos negativos, como é normal que tenha alguém da nossa idade, com vontade de rir, de chorar, de gritar, de resmungar, de sentir, de amar, ... 

Passado quase um ano, algo me impeliu a fazer-lhe esta visita passageira. O dia de ontem esteve reconfortante, o ponto de mudança para uma primavera mais acolhedora, nem frio nem calor. Entrei e senti-me acompanhado por um Sol que ainda hoje me cumprimentou, mais um dia para agradecer a sua radiosa luminosidade, mais um dia para perceber a sua força singular. Entrei e caminhei no sentido do seu último repouso. O Sol acompanhou-me também ...  e o silêncio ... o silêncio do espaço envolvente, o silêncio de um lugar inanimado, vazio de vida mas estranhamente cheio de paz, o silêncio daqueles que se calaram para sempre, despojados da sua identidade, do poder  de voltar a gritar uma e outra vez.

Aproximei-me, observei com atenção alguns pormenores novos e as fotografias expostas cheias de uma vida que já não é ... agora vazias de significação, escarnecendo ante a fugacidade da vida.

Sentei-me um pouco e quedei-me olhando em redor demoradamente. Senti o mármore quente. Não voltei a olhar as fotografias ... valem o que valem, efémeras como tudo o que tem maior ou menor longevidade nesta espécie de dimensão terrena. Olhei em frente, no vazio ... observei as outras campas, os pontiagudos verdes ciprestes, finalmente concentrei-me na brancura dos jazigos em frente, batidos por um Sol um pouco mais forte. Veio-me à memória os momentos de alucinação global do fatídico dia de Junho do ano passado e revi com clareza a imagem da minha prima até ao exacto momento em que a vi descer à terra, para sempre. Lembrei-me repentinamente da sua voz e do tom revoltado e pouco amigável como se pronunciava face a quase tudo o que não suportava. Lembrei-me das discussões absurdas que tínhamos quando crianças um com o outro e das pueris estratégias que já em adulta utilizava para fazer recair sobre si as atenções. Lembrei-me de tudo isso e de muito mais ... dos mil dilemas da sua personalidade retorcida agora tão distantes e afinal ... perante a morte, tão insignificantes. Afastei estes pensamentos ... não quis pensar mais neles. Voltei a observar uma vez mais as imagens, as palavras escritas na lápide ... senti-me reconfortado por esta visita, por este momento a sós. Levantei-me e saí da tranquilidade daquele espaço, saí para outra dimensão ... a dos horários, a dos compromissos, das funções, das despesas, dos afazeres do dia-a-dia, do amor e do desamor pelas obrigações terrenas ... a do conceito de vida criado e alimentado pelo Homem moderno com o bom, o mau e o assim-assim ... mas o único conceito que por enquanto conhecemos.

 

                                                                                                                                          Brama


publicado por Brama às 23:18
link do post | comentar | favorito
|
4 comentários:
De Maria a 5 de Junho de 2008 às 10:14
Este post veio mesmo de dentro... nem sei que te diga... um GRANDE beijinho e abraço reconfortante!


De pinguim a 8 de Junho de 2008 às 08:02
Já me sucedeu, e mais que uma vez, gostar muito da solidão que encontro na paz dos cemitérios; quando vou por imperativo da morte de alguém, não consigo dissociar uma imagem, de despedida, sempre terrível...
Mas quando se vai por gosto, dá para fazer essas introspecções ao passado e a pessoas a quem muito quisemos e sentimo-nos estranhamente recofortados.
Abraço.


De DyDa/Flordeliz a 9 de Junho de 2008 às 18:37
Gosto da palavra "visitar" porque me lembra o presente mesmo que seja para recordar o passado.
e bom fim-de-semana!


De Graduated_fool a 12 de Junho de 2008 às 12:30
Gosto e odeio visitar cemitérios. Sinto uma tristeza e, ao mesmo tempo, uma calma, quase uma candura. Uma paz, certamente.


Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. SIA Lentil

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Sem "papas na língua", co...

. Heartbeat Educação

. Que seria de nós sem um G...

. Como estamos em Ditadura ...

. Born Free

. MDNA, in full conviction!

. Cheikh N`Digel Lô e MDNA

. É assim que Shanghai pens...

. Aziza Mustafa Zadeh

. O tempo é escasso

. Só para relaxar um pouco ...

. Mulher que mata qualquer ...

. She give me money ... whe...

. Ainda estou vivo

. Because of You ...

. Inté

.arquivos

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Junho 2012

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds