Quinta-feira, 16 de Agosto de 2007

Uma Vida!

Uma entrada a explodir de vida, salpicada de tons claros, meticulosamente combinados, rosa e amarelo, tons leves, uma combinação que prevê feminilidade, um hall que convida, que celebra a Vida. Do lado esquerdo imediatamente a seguir ao umbral da porta, quando se entra, quatro pequenas telas expostas verticalmente, brancas, salpicadas diferenciadamente de rosa e amarelo, sobre uma jarra de madeira, com ramos simples de flores secas, rosa e amarelo. Do lado direito, duas telas quadradas, não justapostas, uma com uma rosa dobrada amarela junto à porta, outra a seguir com uma rosa rosa, um pouco mais afastada, colocadas imediatamente acima de uma mesinha tom faia, sobre esta uma jarra de metal mate pequena, redonda, pontilhada de flores secas e alguns ramos secos em espiral, ao lado de uma pequena moldura em madeira clara rústica, com uma fotografia de quem fica. Em frente, acompanhando o comprimento do pequeno corredor-hall, quatro fotografias dos que continuam, emolduradas por quatro molduras rústicas de tons acastanhados. Sobre o monóculo da entrada um “espanta-espíritos” multicolor, tão pouco condizente com a finalidade. Seguindo pelo lado direito, de quem entra, ao fundo, um pequeno e perfumado w.c., cuidadosamente decorado. Ao lado a entrada de uma pequena sala escritório que apela a uma morosa permanência, meticulosamente pensada em diversos, mas cuidadosos tons de azul, leves e frescos, uma surpreendente articulação decorativa, em que os vários objectos parecem ter um lugar mais que perfeito, a ausência de um computador apenas,  já desnecessário no seu lugar, uma apelativa combinação que agrada à mais inestética das cores. Imediatamente ao lado da pequena sala escritório, um pequeno quarto, tão simples na decoração quanto perfeito na organização, uma simples cama, um camiseiro, um pequeno televisor sobre o camiseiro, duas mesinhas de cabeceira, antes cada uma para um corpo, um roupeiro, asfixiante de perfeição, as várias peças de vestuário expostas sem inadvertida falha, sem inexactidão, vertiginosamente engomada, clamando por moldarem um corpo, numa gaveta cuecas, noutra meias, noutra cintos, noutra ainda…perfumes, vários, diversos, tão alinhados, tão absurdamente guardados. Vários porta-jóias dispersos, ricamente repletos de um mundo relativamente significante para alguns, mas tão desconhecido para outros. Voltando atrás e imediatamente ao lado do w.c. acompanhando a parede do lado direito de quem entra, um roupeiro que se abre por umas mãos trémulas, agonizantes, por uns olhos de visceral inaceitação, expondo um universo de perplexidade no brio, no esmero dos elaborados critérios que presidiram a tão intocável perfeição … prateleiras pulsantes de vida que já não é, de blusas e blusinhas que não esquecem nenhuma das milhentas combinações do espectro electromagnético, articuladas por tons e texturas, imediatamente abaixo gavetas que escondem outros tecidos, milimetricamente dobrados por quem desespera com  o desalinho, ao lado, casacos e blusões e conjuntos de toalhas que gritam por já não cumprir a sua função … um universo que nos pasma, nos deixa demoradamente em silêncio camuflando o estridente e ensurdecedor tumulto interno, a venosa histeria que percorre o corpo. Do lado esquerdo, de quem entra, primeiramente a ampla e luminosa cozinha, tão luminosa, tão ampla, tão luminosamente fria. Ao fundo, do lado esquerdo, de quem entra, uma salinha de estar, pouco ocupada no início, fatidicamente ocupada no fim,  leve na apresentação, pesada na significação, em tons amarelos, amarelo clarinho, amarelo canário, amarelo limão, amarelo girassol, amarelo sol, amarelo torrado, amarelo Vida … uma mesinha em frente com cadeiras, o sofá do eterno descanso ao lado, um móvel com um televisor, um móvel despido de objectos, apenas com uma

vitrine expondo assimetricamente três elefantes em pedra, com a tromba levantada em sinal de sorte e prosperidade, uns maravilhosos cortinados em organza amarelos com relevos de malmequeres amarelos, uma mesinha ao lado do sofá com os que já partiram (pai e filha), um sofá amarelo, o do sono eterno, com belíssimos ramos florais e uns cartões com sofridas palavras de sangue dos que ficaram. Outrora, uma casa tão cheia, tão viva, plena de juventude, de sonhos, de magia, de frescura, de estima, de luz … agora … vazia … morta … antes de seu tempo, fechada.  

        (em memória da minha prima, incompreensivelmente falecida aos 32 anos)

                                                                                                       Brama

sinto-me:

publicado por Brama às 05:24
link do post | comentar | favorito
|
2 comentários:
De Maria a 16 de Agosto de 2007 às 10:16
A vida e as suas incompreensões... É revoltante e assustador que coisas destas aconteçam... Beijinhos Grandes


De Zé L. a 25 de Agosto de 2007 às 10:19
Muito triste.



Comentar post

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2013

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.posts recentes

. SIA Lentil

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Crato no "Mundo Perdido" ...

. Sem "papas na língua", co...

. Heartbeat Educação

. Que seria de nós sem um G...

. Como estamos em Ditadura ...

. Born Free

. MDNA, in full conviction!

. Cheikh N`Digel Lô e MDNA

. É assim que Shanghai pens...

. Aziza Mustafa Zadeh

. O tempo é escasso

. Só para relaxar um pouco ...

. Mulher que mata qualquer ...

. She give me money ... whe...

. Ainda estou vivo

. Because of You ...

. Inté

.arquivos

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Junho 2012

. Dezembro 2010

. Setembro 2010

. Julho 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Setembro 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds